segunda-feira, 8 de junho de 2015

[Análise] Evolução dos Preços Nov. 2014 a Mai. 2015

Análise da evolução da cesta básica entre os meses de Novembro de 2014 e Maio de 2015 em Patos-PB.

Foi regulamentada, segundo o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), em 30 abril de 1938, a Lei nº 185 de 14 de janeiro de 1936 pelo Decreto Lei nº 399, que estabelece que o salário mínimo é a remuneração devida ao trabalhador adulto, sem distinção de sexo, por dia normal de serviço, capaz de satisfazer, em determinada época e região do país, às suas necessidades normais de alimentação, habitação, vestuário, higiene e transporte (D.L. nº 399 art. 2º).

Foi realizado, de acordo com DIEEESE, um estudo censitário e depois foram estabelecidos os valores mínimos regionais a serem pagos aos trabalhadores, bem como uma lista de alimentos com suas quantidades, a qual era suficiente para o sustento e o bem estar de um trabalhador em idade adulta, onde deveria conter quantidades balanceadas de proteínas, calorias, ferro, cálcio e fósforo. As quantidades e os bens são diferenciados por região, conforme dados da tabela que segue.
Tabela 01- Provisões mínimas estipuladas pelo decreto Lei nº 399
Os estados que compõem cada região estão listados a abaixo
Região 1 SP, MG, ES, RJ, GO e DF, 
Região 2 PE, BA, CE, RN, AL, SE, AM, PA, PI, TO, AC, PB, RO, AM, RR e MA, 
Região 3 PR, SC, RS, MT e MS. 

Em Patos-PB, levando-se em consideração as informações relacionadas à região que a referida cidade está inserida, tanto em relação aos produtos que compõem a cesta básica, quanto às quantidades consumidas, iniciou-se o levantamento de preços em vários estabelecimentos de todos os bairros da cidade. Dessa forma, foi possível estabelecer os valores mínimos, médios e máximos da cesta de cada mês analisado, conforme tabela que segue.
Tabela 02 -  Preços mínimos, médios e máximos da cesta básica em Patos, de novembro de 2014 a maio de 2015
Fonte: Pesquisa própria, 2014/2015
Um fato que chama bastante atenção e que os consumidores devem ficar atentos na hora de realizarem suas compras é a grande variação existente nos preços dos produtos que compõem a cesta. No mês de novembro, por exemplo, a cesta que apresenta os menores preços, chega a ser 101, 18% mais barata do que a cesta com maiores preços. Caso os consumidores fizessem uma pesquisa de mercado antes da realização da compra, poderiam ter uma economia nesse caso de 179,68 reais no mês de novembro.

Da série de meses analisados, o que ocupa o segundo lugar na variação do valor da cesta dos preços mínimos para os máximos é o mês de dezembro, com 70,81%. O mês que apresentou menor distância entre os valores da cesta foi Janeiro. Na tabela e no gráfico abaixo é possível verificar de forma mais detalhada o percentual de variação de cada mês.

Tabela 03- Variação percentual entre os valores min. e máx. da cesta básica entre os meses de nov. de 2014 e mai. de 2015
Fonte: Pesquisa própria, 2014/2015
É possível observar que os meses que apresentaram a maior variação foram Novembro, Dezembro e Fevereiro. Já os que apresentaram menor variação foram Janeiro e Abril.
Gráfico1: variação percentual entre os valores mín e máx da cesta básica entre os meses de nov. de 2014 e mai. de 2015
Fonte: Pesquisa própria, 2014/2015

Apesar da variação que ocorreu entre os meses, tanto nos valores mínimos, quanto médios e máximos, inclusive havendo queda no valor da cesta em alguns meses, os números mostram uma tendência de inflação, pois em Maio de 2015, todas as cestas apresentam valores maiores aos observados no mês de Novembro de 2014. Os preços mínimos apresentaram em Maio um crescimento de 33,25% em relação aos preços mínimos de Novembro de 2014. Os preços médios apresentaram um crescimento de 14,63%. E os preços máximos apresentaram um crescimento de 7,06%.  

Isso é muito ruim para o consumidor, pois a elevação dos preços mínimos diminui a possibilidade de ganho na hora da compra. Havendo preços bem abaixo da média possibilita aos consumidores que fazem pesquisa de mercado obterem ganhos ao comprar os produtos com menores preços, nesse caso essa possibilidade é perdida. Por outro lado, como houve aumento geral de todos os níveis de preços, a situação piora ainda mais.

No gráfico 02 é possível perceber que a cesta com preços mínimos que apresenta o menor valor é a do mês de Novembro com R$ 177,59 e a que apresenta o maior valor é a cesta do mês de Maio com 236,64. Isso representa uma inflação dos preços mínimos e afeta de forma negativa o poder de compra dos salários dos consumidores patoenses.
Gráfico 2: Variação dos preços mínimos 
Fonte: Pesquisa própria, 2014/2015

De acordo com os dados do gráfico 03 nota-se que a cesta com preços médios que apresentou o menor valor foi a do mês de Dezembro, como R$ 252,68 e a que a presentou o maior valor foi a do mês de Maio. Mais uma vez o consumidor sai perdendo porque os preços médios praticados no mês mais recente é maior do que os praticados no mês que teve início a pesquisa.
Gráfico 3: Variação dos preços médios
Fonte: Pesquisa própria, 2014/2015

Em relação aos preços máximos praticado em Patos em relação a cesta básica, existe uma fato bastante curioso. Todos os meses entre Dezembro e Abril apresentam valores menores do que os apresentados no mês de Novembro. Apenas o mês de Maio apresentou valores maiores. O valor passa de R$ 357,27 em Novembro de 2014 para R$ 382,49 em maio de 2015.
Gráfico 4: Variação dos preços máximos
Fonte: Pesquisa própria, 2014/2015
Apesar dos meses de Dezembro à Abril apresentarem valores menores que Novembro de 2014, os preços mostraram uma tendência de crescimento, já que em Maio o valor da cesta é bem maior.

Observando os dados da tabela 04, é possível notar que existe uma variação acentuada entre os valores das cestas de um mês para outro, bem como entre os valores mínimos, médios e máximos mostrados. 

Em relação aos preços mínimos, de novembro de 2014 para dezembro de 2014 houve um crescimento do valor de 5,08%, já de Dezembro para Janeiro o aumento foi de 16,50%. Surpreendentemente, no mês seguinte ocorre uma queda de  (-8,24%).

Os preços médios apresentaram queda entre os meses de Novembro e Dezembro (-5,52) e entre Janeiro e Fevereiro (-2,09). Nos demais meses ocorreu crescimento, sendo maior percentual entre os meses de Abril e Maio, com 13,03%.

Os preços máximos apresentam uma queda acentuada entre os meses de Novembro e Dezembro de 2014 (-10,79). Queda também entre os meses de Fevereiro e Março (-0,25) e entre Março e Abril. Porém, entre os meses de abril e Maio o aumento foi de 17,87%.

Tabela 04- Percentual de crescimento das cestas entre os meses
Fonte: Pesquisa própria, 2014/2015

ÍNDICES DE PREÇOS

A inflação, de acordo com alguns teóricos é um conceito econômico que representa o aumento persistente e generalizado dos preços de uma cesta de produtos em um país ou região durante um período definido de tempo. Representa também a queda do poder aquisitivo do nosso dinheiro em relação a elevação dos preços de bens e serviços. Ela corrói o poder de compra dos salários e os consumidores diminuem a capacidade de satisfação de suas necessidades quando ocorre esse aumento dos preços. 

A inflação no Brasil durante muitos anos afetou de forma negativa a economia do país. A partir dos anos 1980, vários planos fracassaram na tentativa de impedir o seu crescimento. Porém, com a implantação do Plano Real, o governo adotou medidas que, se por um lado, gerou desemprego, elevação da dívida pública, diminuição do consumo, por outro conseguiu estabilizar os preços e possibilitou que os consumidores façam um planejamento de consumo, sem muita preocupação com a enorme variação de preços que ocorria anteriormente. É importante, porém, que haja sempre divulgação da variação de preços e nesse intuito foram criados os chamados índices de preços ao consumidor, que dão uma ideia do que vem ocorrendo com os preços dos bens e serviços em alguns setores.

O índice de Preço é, portanto, o Índice que mede a inflação, refletindo a média de preços de um grupo de mercadorias de modo a estabelecer a tendência dos preços de uma economia, tendo como unidade de coleta, estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, concessionária de serviços públicos e domicílios. Existem índices oficiais para medir a inflação no país, que servem como parâmetros para verificar se a meta inflacionária está sendo cumprida. São utilizados para fornecer informações sobre a variação de preços praticados pelo mercado para o consumidor final. 

De acordo com informações do site do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) o Sistema nacional de Índices de Preços ao Consumidor- SNIPC, efetua a produção contínua e sistemática de índices de preços, tendo os estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, concessionárias de serviços públicos e domicílios como unidade de coleta. 

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) quantifica o custo de uma determinada cesta fixa de bens de consumo em diferentes períodos. Esta cesta é constituída por diversos tipos de bens, sendo atribuído aos respectivos preços uma determinada ponderação de acordo com os hábitos de consumo da população. Através deste índice é possível calcular a taxa de inflação, que é entendida como a taxa de variação do índice de preço entre dois períodos. A Fórmula utilizada para calcular os índices de preços para os diferentes meses em Patos foi o de Laspeyres, representado pela fórmula abaixo:
O índice de Preços de Laspeyres será o somatório dos preços vezes as quantidades do mês atual, dividido pelo somatório dos preços vezes as quantidades do mês base. Isso tudo multiplicado por 100.
Um número-índice é um quociente que expressa uma determinada quantidade, quando comparada à uma quantidade base. Nesse caso levou-se em consideração os valores das cestas, tendo como base o mês de Novembro de 2014. Os valores dos índices de preços calculados para Patos estão na tabela abaixo.
Tabela 05- Índices de Preços de Patos

Fonte: Pesquisa própria, 2014/2015
Tomando como referência o mês de Novembro de 2014, é possível perceber que apesar da variação de preços, com alguns meses até tendo ocorrido queda destes preços, no geral há uma tendência de crescimento dos preços, mostrando que ocorreu inflação nos meses analisados, pois os meses de Abril e Maio mostram um índice maior do que o calculado no mês de Novembro de 2014.

Utilizando os valores calculados para os índices é possível fazer uma comparação com os valores dos salários mínimos praticados nesse período e investigar se houve perda do poder de compra dos indivíduos, ou seja, é possível calcular o salário real dos consumidores patoenses em relação a cesta básica.

Nos meses de Novembro e Dezembro de 2014, tomando Novembro como base, percebe-se que houve um aumento do poder de compra dos consumidores, ou seja, os salários reais sofreram elevação. Isso ocorreu devido á queda nos preços no mês de Dezembro


O mês de Maio de 2015 foi o que apresentou a maior diminuição do poder de compra dos indivíduos, com um salário real de R$ 697,43.  Em segundo lugar está o mês de Abril, com um salário real de R$ 776,97 e em terceiro o mês de janeiro com um salário real de R$ 780,81.

É possível notar no gráfico 05 que mesmo havendo diminuição dos índices em alguns meses, a exemplo do mês de Dezembro, existe uma tendência de crescimento.  

Gráfico 5: Variação dos índices de Preços
Fonte: Pesquisa própria, 2014/2015

Em suma, os dados demonstram que em Patos não existe uma padronização dos preços. Cada estabelecimento utiliza estratégias diferenciadas para formulação dos preços de seus produtos. É necessário, portanto, uma pesquisa mais aprofundada para buscar entender como ocorre na prática a determinação dos preços cobrados e como isso pode impactar nos bolsos do consumidor patoense.


0 comentários:

Postar um comentário