terça-feira, 12 de abril de 2016

[Análise] Dezembro 2015

http://www.ipcpatos.com.br/2016/04/analise-dezembro-2015.html
Análise dos dados coletados no mês de Dezembro de 2015, dos produtos que compõem a cesta básica. 
Os itens que mais sofreram variação em seus preços foram: a margarina (250g), que apresentou um reajuste de 187,05%, cujo preço mínimo foi de R$ 1,39, e o máximo de R$ 3,99. Em seguida veio o óleo de soja (900 ml), que apresentou um reajuste de 82,69%, cujo preço mínimo foi de R$ 2,60, e o máximo de R$ 4,75. Em terceiro o tomate, que apresentou um reajuste de 64,18%, cujo preço mínimo foi de R$ 3,35, e o máximo de R$ 5,50. Já em quarto o café em pó (250g) que apresentou um reajuste de 55,52%, cujo preço mínimo foi de R$ 2,99, e o máximo de R$ 4,65.
Os produtos que tiveram uma variação menor nos preços foram: a banana (und) que apresentou uma variação de 13,64%, cujo preço mínimo foi de R$ 0,22, e o máximo de R$0,25. Em seguida veio o feijão (kg) que apresentou uma variação de 14,58%, cujo preço mínimo foi de R$ 4,80 e o máximo de R$ 5,50. Em terceiro o arroz (kg) com uma variação de 25,52%, cujo preço mínimo foi de R$ 2,39, e o máximo foi de R$ 3,00. Já em quarto o açúcar (kg) com uma variação de 27,40%, cujo preço mínimo de R$ 2,19, e o máximo de R$2,79.

Fonte: Pesquisa Própria
Comparando a variação percentual dos preços que mais variaram do mês de dezembro de acordo com o mês de novembro, as variações da margarina (250g), do tomate (kg) e do café em pó diminuíram. A da margarina caiu de 209% em novembro para 187% em dezembro. A do tomate de 116% para 64%. E a do café de 64% para 56%. Já a variação do óleo de soja aumentou, subindo de 35% em novembro para 83% em dezembro.
Já os produtos que apresentaram uma menor variação nos preços deste mês (dezembro), em relação a novembro, todos os produtos diminuíram suas variações. A variação da banana (und) caiu de 75% em novembro para 14% em dezembro. A do feijão (kg) de 61% para 15%. A do arroz (kg) de 40% para 26%. E a do açúcar (kg) de 32% para 27%

O reajuste dos produtos que tiveram uma maior variação pode ser justificado, quanto à margarina esta variação é decorrente do fato que uma das margarinas pesquisadas, a Becel, é indicada para pessoas que necessitam reduzir o nível de colesterol ruim do organismo, fazendo com que esse produto apresente um diferencial e tendo como consequência a elevação do seu preço. Já o óleo de soja, as exportações de seu principal componente, o grão de soja, foram muito estimulados com a desvalorização da moeda brasileira. A menor disponibilidade interna fez os preços de o óleo subirem. Sobre o tomate, relacionado à incidência de pragas contribuíram para uma menor disponibilidade do produto, e grandes restrições para sua produção nas principais praças por questões climáticas, que reduziram a qualidade e a produtividade, fazendo com que os preços aumentassem. Por ultimo o café em pó, foi outro item na qual a combinação de fatores climáticos desfavoráveis e taxa de câmbio que aumentou as exportações, levaram ao aumento dos preços no mercado interno.

Já os produtos que tiveram uma menor variação, a Banana pode ser justificada pela falta de chuva ocasionando a escassez do produto, desta forma o preço aumenta e as pessoas optam por frutas substitutas. O Feijão assim como a banana os fatores climáticos obrigaram os produtores a reduzirem a sua produção. Já o arroz, os produtores distribuíam para os consumidores a medida que fosse necessário, com a finalidade de controlar a demanda devido a baixa produtividade. Já a variação do açúcar teve seu preço majorado nos últimos meses do ano, devido ao aumento das exportações, tanto pela desvalorização cambial quanto pela elevação do preço das comoditys. Além disso, a maior parte da produção das usinas brasileiras de cana de açúcar está voltada para a produção de etanol.

0 comentários:

Postar um comentário