quarta-feira, 13 de abril de 2016

[Análise] Fevereiro 2016


http://www.ipcpatos.com.br/2016/04/analise-fevereiro-2016.html

Análise dos dados coletados no mês de Fevereiro dos produtos que compõem a cesta básica

Comparando a variação percentual dos preços do mês de janeiro de acordo com os produtos que mais variaram no mês de fevereiro, a variação da margarina (250g) foi a única que diminuiu, caindo de 257% em janeiro para 175% em fevereiro. As variações do tomate (kg), da farinha (kg) e da banana (und) aumentaram. A do tomate subiu de 77% para 127%. A da farinha de 45% para 114%. E a da banana de 36% para 80%.
Já os produtos que apresentaram uma menor variação nos preços deste mês (fevereiro), em relação a janeiro, as variações do pão (kg), do feijão (kg) e da carne (kg) diminuíram. A variação do pão caiu de 17% em janeiro para 7% em fevereiro. A do feijão de 36% para 28%. A da carne de 48% para 34%. Somente a variação do óleo de soja sofreu um acréscimo, saindo de 30% para 39%.

No caso dos produtos que sofreram uma maior alteração no seu preço, a variação da margarina é decorrente do fato que uma das margarinas pesquisadas é indicada para pessoas que necessitam reduzir o nível de colesterol ruim do organismo, fazendo com que esse produto apresente um diferencial e tendo como consequência a elevação do seu preço.

Em fevereiro, houve predominância de alta em quase todos os produtos da cesta nas capitais do Brasil, com destaque para o óleo de soja, feijão, leite, açúcar e farinha de mandioca, em nossa região. O tomate e a batata coletada na região Centro-Sul mostraram diminuição na maior parte das cidades.

Após elevação expressiva em janeiro, o preço do tomate apresentou queda na maioria das capitais, a intensificação da colheita em algumas regiões. Elevou a oferta e diminuiu o preço do tomate em algumas cidades.

As chuvas durante o mês de janeiro influenciaram no preço do tomate, que fechou o mês de janeiro vendido a R$ 4,10 o quilo, depois de chegar a R$ 6,40 no início do ano. Neste mês, o tomate está sendo vendido por R$ 2,99 o quilo, o que representa, comparado a média do mês anterior, recuo de um pouco menos de 50%. As informações são da Ceasa.

Com demanda firme e restrição de produtores, os preços de mandioca seguem em alta. De acordo com pesquisadores do Cepea, apesar de o clima ter sido favorável para o avanço dos trabalhos de campo na semana passada, a oferta de mandioca para as indústrias continuou abaixo da demanda, já que as indústrias estão focadas em formar estoques.
Fonte: Pesquisa Própria
Os produtos com maior variação de preço, em ordem decrescente, foram:
1)    Margarina com 175% de variação (preço Mínimo de R$ 1,04 e Máximo de R$3,85);
2)    Tomate com 127% de variação (preço Mínimo de R$ 2,99 e Máximo R$ 6,79);
3)    Farinha com 114% de variação (preço Mínimo de R$ 2,56 e Máximo R$ 5,48);
4)    Banana (und) com 80% de variação (preço Mínimo de R$ 0,25 e Máximo de R$ 0,45).

Os produtos com menor variação de preço, em ordem crescente, foram:
1)    Pão com 7% de variação (preço Mínimo de R$ 6,99 e Máximo de R$ 7,50);
2)    Feijão com 28% de variação (preço Mínimo de R$ 5,49 e Máximo de R$ 7,00);
3)    Carne com 34% de variação (preço Mínimo de R$ 20,49 e Máximo de R$ 27,45);
4)    Óleo com 39%% de variação (preço Mínimo de R$ 3,89 e Máximo de R$ 5,39).

0 comentários:

Postar um comentário