terça-feira, 12 de abril de 2016

[Análise] Novembro 2015

http://www.ipcpatos.com.br/2016/04/analise-dezembro-2015.html

Os produtos que mais sofreram variação em seus preços foram: a margarina (250g), que apresentou um reajuste de 209%, com preço mínimo de R$ 1,29, e o máximo de R$ 3,99. Em seguida vem o tomate (kg) com um reajuste de 116%, cujo preço mínimo foi de R$ 2,55, e o máximo de R$ 5,50. Em terceiro lugar veio à banana (dúzia) que apresentou um reajuste de 75%, cujo preço mínimo foi de R$ 2,40, e o máximo de R$ 4,20. Em quarto lugar, a farinha que apresentou um reajuste de 66%, cujo preço mínimo foi de R$ 2,29, e o máximo de R$ 3,79.

Já os produtos que tiveram uma variação menor nos preços foram: o açúcar (kg) que apresentou uma variação de 32%, cujo preço mínimo foi de R$ 2,09, e o máximo de R$ 2,75. Em seguida o pão (kg) que apresentou uma variação de 34%, cujo preço mínimo foi de R$ 5,00, e o máximo de R$ 6,70. Em terceiro o óleo com uma variação de 35%, cujo preço mínimo foi de R$ 3,39, e o máximo foi de R$ 4,59. Em quarto carne com uma variação de 37%, cujo preço mínimo de R$ 18,89, e o máximo de R$ 25,79.
Fonte: Pesquisa Própria
Comparando a variação percentual dos preços do mês de outubro de acordo com os produtos que mais variaram no mês de novembro, a variação da margarina (250g) aumentou, subindo de 199% para 209%. As variações do tomate (kg) e da farinha (kg) diminuíram. A do tomate caiu de 213% em outubro para 116% em novembro, e a da farinha de 77% para 66%. A da banana, por sua vez, manteve-se estável (75%).

Já comparando os produtos que apresentaram uma menor variação nos preços deste mês (novembro), em relação a outubro, a variação do açúcar aumentou, subindo de 18% em outubro para 32% em novembro. As variações do óleo e da carne diminuíram. A do óleo caiu de 59% em outubro para 35% em novembro, e a da carne de 49% para 37%. A do pão, entretanto, manteve-se estável (34%).

No caso dos produtos que sofreram maior alteração, o caso da margarina é decorrente do fato que uma das margarinas pesquisadas, a Becel, é indicada para pessoas que necessitam reduzir o nível de colesterol ruim do organismo, fazendo com que esse produto apresente um diferencial e tendo como consequência a elevação do seu preço. Já a elevação do tomate foi atribuída à seca que prejudicou a produção e gerou uma diminuição da oferta e consequente elevação do preço. No caso da banana, houve um crescimento das vendas devido à grande demanda deste produto. Isso ocorre por ela possuir um prazo curto de consumo resultando numa rotatividade maior. A farinha, por sua vez, teve redução na sua oferta, mas não reduziu a sua demanda, ou seja, mesmo com um número de produtos diminuídos no mercado a sua procura não sofreu mudança, o que ocasionou a subida do seu preço.

Os produtos que apresentaram uma menor variação, nesse caso o açúcar, o reajuste pode ser justificado pela grande demanda que há no mercado. Já o pão foi justificado pela alta do dólar, fato que implica diretamente no valor da importação do trigo. O óleo de soja, por ser um produto de um consumo mais lento, ocasionou um excesso de oferta no mercado, o que resultou num preço menor ou que praticamente não tenha uma alteração considerável. Por ultimo veio à carne, que teve uma queda em seu preço devido ao elevado consumo de produtos substitutos, como por exemplo, o frango. Isso ocorreu pelo aumento do preço da carne no ultimo mês, resultando na diminuição do consumo e queda nos preços em Novembro.

0 comentários:

Postar um comentário