segunda-feira, 31 de outubro de 2016

[Análise] Outubro 2016

http://www.ipcpatos.com.br/2016/10/analise-outubro-2016.html

Boletim Outubro de 2016 dos produtos que compõe a cesta básica

Os produtos com maior variação de preço, em ordem decrescente, foram: 
1) Farinha com 180% de variação (preço mínimo de R$ 2.50 e máximo de R$ 7,00);
2) Feijão com 166% de variação (preço mínimo de R$ 5,25 e máximo de R$ 13,99);
3) Arroz com 125% de variação (preço mínimo de R$ 2,00 e máximo de R$ 4,50);
4) Leite com 102% de variação (preço mínimo de R$ 3,25 e máximo de R$ 6,57).

Os produtos com menor variação de preço, em ordem crescente, foram: 
1) Pão com 7% de variação (preço mínimo de R$ 6,99 e máximo de R$ 7,50);
2) Óleo com 55% de variação (preço mínimo de R$ 3,48 e máximo de R$ 5,40);
3) Tomate com 56% de variação (preço mínimo de R$ 2,50 e máximo de R$ 3,90);
4) Açúcar com 58% de variação (preço mínimo de R$ 2,28 e máximo de R$ 3,60).

Gráfico com as variações dos preços mínimos para o máximo de cada produto: 
 

A tabela abaixo apresenta a comparação entre o índice de preço de cada mês e os preços mínimo, médio e máximo da cesta básica entre os meses de Setembro e Outubro:

*O índice de preços ao consumidor é uma medida do preço médio necessário para comparar bens de consumo e serviços. O índice é usado para observar tendências de inflação. A variação percentual do preço num determinado período é uma das medidas da inflação. Com isso pode-se observar que os preços diminuíram neste mês de outubro. 

A tabela abaixo apresenta a variação percentual do valor mínimo para o valor máximo da cesta básica dos meses de SETEMBRO e OUTUBRO:

 
 Enquanto no mês de Setembro a variação do valor da cesta com menor preço e a cesta com maior preço foi de 71%, em Outubro essa variação foi de 75%. Esse aumento se deu em função da diminuição do preço da cesta com menor valor (de 260,89 em Setembro para 251,52 em Outubro) e diminuição do preço da cesta com maior valor (de 444,86 em Setembro para 441,04 em Outubro).

A tabela abaixo mostra o salário real de cada mês apresentando se houve aumento ou diminuição no poder de compra das pessoas:

  *O salário real varia com o aumento do salário nominal e a taxa de inflação. Quando o salário nominal aumenta e não há aumento de preço, o salário real aumenta também, porque se o trabalhador recebe mais pelo seu trabalho (salário nominal), tem maior poder de compra para adquirir bens e serviços (salário real). Dado isso, o poder de compra da população patoense aumentou neste mês de Outubro.

 Preços mínimos, médios e máximos dos produtos da cesta básica
 

 Tabela contendo os produtos com os preços mais baratos e seus respectivos locais:
 

0 comentários:

Postar um comentário